Pernas pro ar

As pernas são lentas,
despertam entre lençóis
E, inertes,
querem banho de chuva e maresia.

Quando ouvires meu sonho
Talvez seja tarde,
E em mim já não arda
desejo e paixão.

Não importa.
Não desistirei de acenar o verbo
na imagem ao vivo da tela em pixels.

Assim o amor não se desfaz.
Feito que é teia, cadeia, rede
Alucinação.

Por mais poesia em tempos de pandemia!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s