Só ser, ser só

É chegada a hora

De desatar os braços,

De afrouxar os laços.

De eliminar as

mágoas, os desatinos.

 

De deixar o rio

correr suave e limpo,

curvando-se entre

as pedras,

incorporando as corredeiras.

 

Virão novas águas

E brotarão flores entre

as mais insuspeitas rochas.

Serei a orquídea

que nasce na lua cheia.

Sempre em broto, sempre plena.

 

Marta

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s