Sinais

A morte nada semeia.

Apenas treme de amargura

Para anunciar sua chegada.

A vida se refaz em tons de bege,

Sem a graça do primeiro beijo

E da seresta na madrugada.

 

Corpos maduros amam

Com sua própria voz.

Não é deste mundo sua agonia.

Navegam em outros mares,

São ardentes apenas em boa companhia.

 

Expulsam os incautos e os marinheiros,

Os aventureiros.

Amam porque é chegada a hora,

Apesar da tempestade, das objeções

E das cicatrizes que soam como

gralhas em seus tons moribundos.

Marta

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s