Para viver plenamente a poesia

Tantos apregoam a morte da poesia, porém sinto-a mais forte do que nunca. Abrir um livro de poemas é navegar no indecifrável mundo das emoções e trazê-lo à luz do dia, refrescante, pulsante. Enquanto a prosa nos invoca à realidade externa, à descrição das narrativas, a poesia nos traz ao mundo interior onde não há fronteiras para a imaginação, onde “o que é sólido se desmancha no ar”.

Nas livrarias, em meio aos best-sellers e publicações de auto-ajuda, encontro algumas joias que compartilho com os leitores. Este autor me escolheu. É o jornalista, biólogo e escritor moçambicano Mia Couto. Uma de suas frases: “O poeta não quer escrever. Apenas ser escrito”. Como define José Castello, na apresentação da obra: (…)”Só uma parte da existência cabe ao poema. A maior parte esbarra no muro das palavras e permanece do lado de fora”.

Seleciono um poema:

 

 

 

Danos e enganos

Aquele que acredita ter visto o mundo,

não aprendeu a escutar-se no vento.

Aquele que se deitou na terra,

vestiu sonhos como se fossem vidas

e tudo o mais fossem regressos.

Mas aquele que tocou o fruto

provou a inicial doçura do tempo.

E quando tombou

de si mesmo se fez semente.

Do livro Poemas Escolhidos – Companhia das Letras

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s