Jornalismo: oxigênio da democracia

Caros leitores e leitoras,

O texto abaixo foge um pouco do perfil do blog, mas simplesmente me rendi ao discurso e ao talento do professor Carlos Alberto Di Franco, doutor em Comunicação pela Universidade de Navarra (Espanha) e consultor de grandes veículos brasileiros. Ele veio falar na última semana de maio em Floripa, a convite da Associação Catarinense de Imprensa, sobre o Futuro do Jornalismo. Carlos está atualizadíssimo e começou pelo ponto: as relações humanas estão sucumbindo ao mundo digital. O jornalista não sofre mais o fato, não vai mais às ruas apurar os fatos. E por que existe uma crise no jornalismo, na mídia? “Porque fazemos um jornalismo sem alma”, acredita.

É fato que as redações estão minguando e que as tiragens dos grandes veículos vêm caindo vertiginosamente em todo mundo, em detrimento dos portais de internet e das notícias on-line. “A ditadura das aspas ocupa o lugar da informação”. Porém, é o jornalista que ilumina a cena, defende o consultor.

Embora cada cidadão conectado possa ter seu próprio meio – Facebook, Instagram, por exemplo – é no jornalismo público, de alta qualidade e realizado por profissionais do ramo que nasce a informação, a análise de verdade. “Os usuários estão fascinados com seu poder de autoria, mas isso não é jornalismo”. O problema é que a internet faz o trabalho do jornalista parecer fácil. Acontece que a dura apuração dos fatos, das ideias, a correlação de fontes, a necessidade de trazer uma narrativa de impacto e fidedigna não é tarefa aprendida na esquina.

E ele nos lembra que clássicos épicos como Harry Potter, da britânica J. K. Rowling, e o Senhor dos Anéis, do britânico J. R. R. Tolkien, best-sellers mundiais entre a juventude, estão aí para provar que os jovens querem ler boas histórias. Não importa o tamanho ou a profundidade das obras. “Ninguém resiste a materiais inteligentes”.

E mais: os leitores estão cansados das más notícias, do enfoque desinteressante e viciado em ouvir a fonte, os dois lados e nada mais. Quantos de nós se sentem ainda mais desinformados depois de ler uma notícia ou de ver um telejornal? A contextualização dos fatos simplesmente escorrega pelo ralo. E as boas notícias sumiram dos noticiários por quê? Não dão audiência? Ele duvida.  “Afinal, o jornalismo é como a vida, feito de luzes e sombras”.

A questão é que perdemos a capacidade de sonhar e de produzir pautas criativas. Entretanto, os usuários e leitores estão aí, lendo as notícias nas redes, nos aplicativos, nos jornais digitais e impressos, fazendo a audiência nos meios eletrônicos. “O jornalismo está mais vivo do que nunca! É hora, portanto, de contar boas histórias para manter a atenção e o interesse da nossa grande plateia”, resume.

Quando a questão é a política, nos dá um alento: sairemos melhores da crise, a mídia está apurando os fatos. No seu ponto de vista, as denúncias de corrupção que correm disseminadas em todos os setores da sociedade vão exigir a vinda de uma nova ordem política, social e econômica. Que assim seja!

Um comentário sobre “Jornalismo: oxigênio da democracia

  1. Sonia Lacerda disse:

    Oi Marta, muito bem vindas as ideias e acredito que, de fato, o Jornalismo está e deve continuar mais vivo do que nunca.Seu papel é fundamental. Adorei seu texto e também tenho a esperança que essa crise, como as inúmeras que atravessamos, nos leve ao crescimento.

    Curtir

Deixe uma resposta para Sonia Lacerda Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s