Mãos de jornalista

Porque poetar é preciso…

Minhas mãos

São santas

Às vezes ateias

Por elas passam

Ideias, veias

Que fluem o

néctar do discurso,

do argumento.

 

A noite chega

E são simplesmente

Veias com expressão,

Cansaço. Mudas, não falam…

Apenas sentem. (sua falta)

Sentem…

Marta

db09692eed0593e03cbc4bf97f21f96b

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s